terça-feira, setembro 13, 2016

Engole

Em que momento deixamos de apreciar  o sabor e passamos a apenas engolir?

Em que momento passamos da frente pra trás?

Em que momento voltamos  atrás?

sexta-feira, agosto 26, 2016

Cálice (Chico Buarque, Gilberto Gil)

Como beber dessa bebida amarga
Tragar a dor, engolir a labuta
Mesmo calada a boca, resta o peito
Silêncio na cidade não se escuta
De que me vale ser filho da santa
Melhor seria ser filho da outra
Outra realidade menos morta
Tanta mentira, tanta força bruta

Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Como é difícil acordar calado
Se na calada da noite eu me dano
Quero lançar um grito desumano
Que é uma maneira de ser escutado
Esse silêncio todo me atordoa
Atordoado eu permaneço atento
Na arquibancada pra a qualquer momento
Ver emergir o monstro da lagoa

Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

De muito gorda a porca já não anda
De muito usada a faca já não corta
Como é difícil, pai, abrir a porta
Essa palavra presa na garganta
Esse pileque homérico no mundo
De que adianta ter boa vontade
Mesmo calado o peito, resta a cuca
Dos bêbados do centro da cidade


Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Talvez o mundo não seja pequeno
Nem seja a vida um fato consumado
Quero inventar o meu próprio pecado
Quero morrer do meu próprio veneno
Quero perder de vez tua cabeça
Minha cabeça perder teu juízo
Quero cheirar fumaça de óleo diesel
Me embriagar até que alguém me esqueça

quinta-feira, janeiro 07, 2016

No título sou EU, na leitura... VOCÊ (Augusto de Lanóia)

Para os loucos, sou um careta
Para os caretas, completamente louco

Para os organizados, sou confuso
Para os desalinhados, organizado

Para os ricos, insignificante
Para os desafortunados, sou quase um patrão

Para os belos, sou bem comum
Para os comuns, sou estiloso

Para os agressivos, sou calmo
Para os pacientes, um pavio curto

Para os gordos, sou esbelto
Para os finos, quase obeso

Para os ansiosos, sou uma lady
Para os calmos, quase um cavalo

Para os gays, sou hetero
Para os machões, uma bixona

Para os gerentes de projeto, sou "agile"
Para os agilistas, sou burocrata... 

Para a turma do business, sou o técnico
Para os técnicos, sou business

Para os de direita, sou um comunista sanguinário
Para os de esquerda, um porco chovinista

Para os "junk fooders", sou um exemplo de nutrição
Para os "healthy guys" sou um "bacon "

Para os abstêmios, sou um bêbado nato
Para os beberrões, sou um "healthy guy"

Para os músicos, sou um aprendiz
Para os iniciantes, qualquer coisa

Para os religiosos, sou um ateu
Para os ateus, sou um descrente

Para os políticos, sou um ogro
Para os politizados, um vendido

Para os chefes, sou questionável
Para os colegas de trabalho, sou o Jajá

Para os inteligentes, sou mediano
Para os que se acham, sou uma ameaça

Para os irmãos, sou um algoz
Para os meus irmãos, sou uma esperança

Para a perdiz, sou o caçador
Para o mato, sou o barulhento

ou seja:

PARA A NUVEM SOU CHUVA
PARA A CHUVA, SOU TRANSPORTE

PARA A VIDA, SOU SEM RAZAO
PARA A MORTE, SOU UMA CERTEZA!

#queassimseja

terça-feira, maio 19, 2015

#LU10 (Augusto de Lanóia)

Era um caminho amassado de visões, um tanto quanto empoeirado de paixões.
Defeituoso e arredio,
Percorrido e desmembrado por questões repetitivas.

E eis que então surge um clarão ao final do arbusto, escondido atrás da flor.

E que aos poucos torna fogo, queimando brasa ao seu redor.
Onde o vento foi derretendo, e as folhagens... se executando,
Onde a tristeza foi se apagando e as angústias, dilacerando.

E no monte o todo se iluminou, com a sua lava no "living room"
Muitos fugiram, muitos temeram... poucos ficaram.

Mas no fim, era apenas uma tocha acesa
Tão intensa e tão brilhante que ofuscava até a razão!
Provocando o seu encanto de desafiante a todo amor que virou cinza

E ela segue acesa... e que assim seja!

Que brilhe sempre em seu ardor por liberdade.
Sem secar seus sonhos e sem temer os riscos da incerteza

É uma tocha de sabores intensos e SUSURROS SELVAGENS,
Que acolherá pedras sobre sí jogadas.


quarta-feira, maio 06, 2015

Peculiar (Augusto de Lanóia)

Vamos recolher do mundo um pouco de seu cotidiano. Cheio de angústias, dúvidas e incertezas... no meio de tanta certeza!

Vamos recolher do mundo o seu melhor. Sua auto-estima... sua glória! No meio de tanta dor e desencanto!

Vamos recolher do mundo como se fosse uma varrida no chão, que juntamos numa pá, cheia de pó, cabelos e outras idiossincrasias.

Vamos relutar no mundo a sua essência! Sua vanguarda... sua indiferença.

Vamos juntar de tudo e de todo um pouco, para nos frear a vontade... de nos perder totalmente!

Vamos reagrupar o foco, pois o importante é que o que nos importa.

Vamos, enfim... ser livres!

sexta-feira, março 27, 2015

Bem no fundo (Paulo Leminski)


No fundo, no fundo,
bem lá no fundo,
a gente gostaria
de ver nossos problemas
resolvidos por decreto
a partir desta data,
aquela mágoa sem remédio
é considerada nula
e sobre ela — silêncio perpétuo
extinto por lei todo o remorso,
maldito seja quem olhar pra trás,
lá pra trás não há nada,
e nada mais
mas problemas não se resolvem,
problemas têm família grande,
e aos domingos
saem todos a passear
o problema, sua senhora
e outros pequenos probleminhas.

sexta-feira, março 13, 2015

Amem (Augusto de Lanóia)

O mundo hoje anda tão individualista, sem inteligência emocional e com a necessidade de viver em grupos que me dá nojo!

Sem filosofia, sem livraria e sem musicalidade!

E isso é porque os distúrbios mentais atingem a todos. Os valores estão sendo deturpados,
A paz está sendo menosprezada! Melhor ter do que ser!

Affffff....

Amém é o que a religião diz! Amem é o que a vivência diz! Você decide!

Ninguém nasceu pra mudar ninguém! No MÍNIMO... vc pode INSPIRAR alguém a mudar!

Acordar e viver não é fácil... mas é necessário!

Amem!